Audiência realizada na Assembleia debateu importância de ações para segurança no trânsito (Foto: Orcenil Júnior)

Vítimas de acidentes de trânsito e familiares se reuniram na Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (28), para reforçar a importância das blitzen e demais ações de fiscalização que vêm ocorrendo no Maranhão. Integrantes do movimento ‘Humanizar para a Paz no Trânsito’, estiveram com o deputado Rogério Cafeteira para contar suas experiências e solicitar apoio na defesa das medidas fiscalizatórias.

O movimento pela paz no trânsito divulga projetos e promove mobilizações em escolas e bares com jovens e adultos, o que complementa o trabalho de Educação para o Trânsito promovido pelo Detran-MA. “Estamos aqui para apoiar essa iniciativa do movimento, ouvir estas pessoas e reforçar o trabalho que vem sendo promovido para evitar que histórias como estas não venham a se repetir. As blitzen são necessárias, assim como obedecer às leis e trafegar com os veículos em condições adequadas e documentos em dia. Defendemos o cumprimento e não a transgressão da lei para preservar e salvar vidas”, destacou o deputado Rogério Cafeteira ao comentar a importância das fiscalizações.

O deputado enfatizou os esforços do Governo do Estado para que a realidade seja mudada e haja mais respeito às normas no trânsito. “Quem hoje defende que não haja fiscalização, que estas pessoas conheçam as histórias reais e tenham um choque de realidade. O Estado tem feito sua parte para possibilitar que todos andem na legalidade e a Assembleia se coloca à disposição e apoia este pensamento”, disse Cafeteira.

Uma das vítimas de acidentes de trânsito que compareceu a Assembleia Legislativa foi Willame Damasceno, que hoje é um dos integrantes e coordenadores do movimento pela paz no trânsito. Há quase nove anos em uma cadeira de rodas, fruto da própria imprudência, ele defende o pleno rigor da aplicação das leis e das fiscalizações.

Damasceno conta que costumava ter atitudes imprudentes e em uma dessas ocasiões, sob efeito de bebida alcoólica e pilotando sua moto, confrontou-se com uma parede ficando com a lesão irreversível. “Se eu tivesse encontrado uma blitz naquele dia, seria punido, mas não estaria preso a uma cadeira de rodas”, enfatizou.

As blitzen estão tirando das ruas muitas pessoas que não têm qualquer condição de dirigir ou pilotar, e, assim, salvando vidas, destacou Aline de Jesus, que compareceu a Assembleia Legislativa e que também teve a vida alterada por conta de acidentes no trânsito. “Esse momento é para mostrar como podem ser sérias e irreversíveis as imprudências cometidas no trânsito. Como podemos ser vítimas, pelo resto da vida, de uma atitude inconsciente pelo desrespeito às leis”, comentou.

Durante a reunião, os presentes relataram suas experiências e reforçaram a mensagem pelo respeito às leis de trânsito e defesa das ações de fiscalização.