Um documento  divulgado pela Polícia Federal descarta a participação do secretário Carlos Lula na “Operação Pegadores”, que investiga esquema que desviou mais de R$ 18 milhões de verbas federais, até setembro de 2015, destinada a saúde do Maranhão.

O texto esclarece que os desvios do recurso acabaram justamente quando Carlos Lula assume a função de subsecretário da pasta, diferente do que alguns veículos da imprensa têm noticiado usando uma fala mal elaborada da superintendente da Polícia Federal para acusar Carlos Lula de omissão no esquema. Leia o texto:

Documento descarta envolvimento do atual secretário em qualquer esquema

Outro trecho da decisão judicial ressalta que Carlos Lula questionou o procedimento. Acompanhe abaixo:

Trecho foi extraído da decisão da 1ª Vara da Justiça Federal

Além disso, foi na gestão de Carlos Lula que houve a começo da desarticulação dos ‘esquemas das terceirizadas’ – iniciadas ainda na época de Ricardo Murad. A implantação da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares e os 5.149 aprovados no seletivo são prova disto.

Atualmente, a gestão de Carlo Lula optou pela criação de seletivo para preencher 46 vagas para o cargo comissionado de auditor em saúde, atraindo mais de sete mil candidatos de todo o estado. Antes, essas vagas seriam ocupadas por indicação ou apadrinhamento político.