Campanha de vacinação inclui neste ano os professores da rede pública e particular

Reduzir as complicações, as internações e as mortalidades decorrentes das infecções pelo vírus da influenza, conhecida popularmente como gripe. Esse é o objetivo da Campanha Municipal de Vacinação Contra a Influenza 2017, que será realizada do dia 17 deste mês a 26 de maio em Paço do Lumiar.

Durante este período, as 15 Unidades Básicas de Saúde (UBS) aplicarão a vacina trivalente, que protege contra três tipos de vírus. Neste ano, a meta do município é imunizar 20.519 pessoas. E o dia 13 de maio será o dia “D” de mobilização nacional e todas as unidades estarão vacinando das 8h às 17h.

São 15 pontos de vacinação em Paço do Lumiar

Deverão ser vacinadas crianças de seis meses a menores de cinco anos; gestantes; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhador da área da saúde; pessoas com 60 anos de idade ou mais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que estão sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, independente da idade, e professores das escolas públicas e privadas que estão em sala de aula.

Vacinação busca imunizar mais de 20 mil pessoas

Contraindicações
Embora a vacina seja muito importante para prevenir a gripe, algumas pessoas precisam ficar atentas porque há contraindicações. Indivíduos com histórico de reação alérgica grave às proteínas do ovo, crianças menores de seis meses e quem está com doenças febris agudas não devem receber a vacina.

Número de casos foi alto em 2016
Em 2016, houve 12.174 casos confirmados de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por influenza no país. A SRAG é uma complicação da gripe. Houve ainda 2.220 mortes, número alto em comparação a anos anteriores.

Do total de óbitos, a maioria (1.982) foi por influenza A/H1N1. Este foi o maior número de mortes por H1N1 desde a pandemia de 2009, quando 2.060 pessoas morreram em decorrência do vírus no Brasil.

Em 2017, já foram registrados 276 casos e 48 mortes no país.