Ataque a Pedrinhas diz que intenção era resgatar sete ladrões de banco, segundo delegado Thiago Bardal

O ataque ao Centro de Detenção Provisória em Pedrinhas teve apenas um objetivo: resgatar sete assaltantes de banco ligados a uma facção criminosa que atual no Maranhão e em outras regiões do país.

A informação é do delegado Thiago Bardal, titular da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic).

O delegado afirmou que a fuga foi planejada para libertar os assaltantes de banco e que os demais detentos aproveitaram a situação. “Pelo inquérito instaurado, esses assaltantes foram os alvos desse resgate. Os demais foi oportunidade”, disse.

Um grupo armado com fuzis participou da explosão de parte do muro do CDP que resultou na fuga de 32 detentos. (Reveja). A preocupação agora é que esses bandidos cometam novos roubos a bancos do Maranhão.

Presos fugiram por buraco aberto em muro do CDP

A explicação para o temor é o fato de o grupo ter tido despesas geradas durante o ataque ao prédio do CDP. “Tiveram que alugar armamento, recrutar pessoas e tem uma dívida agora. Então eles vão buscar esse dinheiro na especialidade deles, o assalto a banco” explicou.

Policiais civis e militares seguem em busca dos fugitivos. A Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) informou que já abriu sindicância para apurar possível facilitação na fuga dos internos.

Saiba mais

Na manhã desta segunda-feira (22), três fugitivos foram recapturados e outro foragido foi morto durante confronto com homens da Polícia Militar, em Itapera, Zona Rural da capital. (Reveja)

Três fugitivos foram recapturados e outro morreu nesta manhã

Seis foram recapturados minutos depois da fuga, enquanto dois morreram na troca de tiros com agentes do Grupo Especial de Operações Penitenciárias (Geop). (Reveja)

Segundo a Seap, no total, três internos morreram durante a troca de tiros com a polícia, nove foram recapturados e 20 permanecem foragidos após a ação criminosa.

Nove detentos foram recapturados até agora